Os mercados de Serviços Odontológicos e de Medicina enfrentam, neste momento, as mesmas dificuldades de qualquer organização em uma economia em recessão. 

No mercado de atendimento particular, consultas e tratamentos mais complexos são adiados, exames realizados no seu mínimo volume; no mercado atendido por convênios, o uso excessivo do plano de saúde pelos clientes leva ao aumento da sinistralidade e aumento dos valores cobrados por estes planos.

 Estes têm um papel fundamental como fonte pagadora na cadeia, principalmente para os profissionais em início de carreira. 

Os consultórios e clínicas estão distribuídos na cidade e posicionados mercadologicamente em função do poder de compra da população. Consultórios estruturados em estabelecimentos comerciais localizados em avenidas de grande fluxo de comércio popular contrastam com clínicas localizadas em modernos prédios comerciais.

O mercado de medicina e odontologia tem se configurado como um mercado muitíssimo fragmentado. Em sua maioria formado por consultórios de profissionais autônomos, seguidos por pequenas clínicas e mais recentemente por redes de franquias com atuação ainda regional. No caso da odontologia, figura também o crescimento de estabelecimentos especializados como as clínicas de implantes e outras especialidades estéticas. Muito desse crescimento é explicado pela emergência da classe C nos últimos anos.

Confira abaixo o relatório completo desse segmento no âmbito do Estado da Bahia:
http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/d4be1c3098d83ea75d50997f2c77b41a/$File/7368.pdf

estudo clinica