Reaproveitamento de Resíduos industriais: Uma das estratégias sustentáveis encontradas pelo setor de moda

O cenário atual vai além da preocupação ambiental. O novo panorama envolve a relação entre a produção de novos bens de consumo com as regulamentações afins, a necessidade de alternativas que reduzam o custo de produção e, muito especialmente, o perfil do consumidor consciente. Este somatório de fatores demanda, cada vez mais, uma atuação sustentável das empresas do setor de moda.

No ramo da Moda, os resíduos reaproveitáveis seriam aqueles referentes à confecção de vestuário e artigos têxteis, fabricação de bolsas e calçados, joalheria e ourivesaria, além de sobras de tecido e retalhos.

 

ALGUMAS DAS ESTRATÉGIAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS DO SETOR DE MODA NESTE CONTEXTO:

  • O ecodesign inclui a preocupação ambiental em todas as etapas do processo de desenvolvimento e do ciclo de vida do produto. São pensadas, no mesmo grau de importância, as características estéticas, técnicas e econômicas;
  • Utilização de resíduos industriais no processo produtivo de novos produtos;
  • Atribuição de novos significados e funcionalidades ao material descartado na indústria;
  • Agregação de valor ao material descartado, por meio de estratégias de marketing que enfatizam a responsabilidade social e a preocupação da empresa com o meio ambiente;
  • Desenvolvimento de materiais ecológicos capazes de gerar produtos que minimizem os impactos ambientais.

Como exemplo de aplicação dessas estratégias podemos citar o Parque Industrial Fluminense (RJ), no Brasil. Sendo um dos mais importantes parques industriais do país, representante de 11% do PIB brasileiro e 28% do estadual, produz um milhão de toneladas/mês de resíduos industriais, dos quais 6% são resíduos perigosos e 94% não perigosos.

Por outro lado, não podemos esquecer do Consumidor consciente, disposto a pagar mais pelo produto que traz valores sustentáveis. Ele se preocupa com o processo produtivo e suas implicações no meio ambiente; a destinação dos resíduos gerados durante o processo produtivo; o correto descarte decorrente do seu próprio consumo.

Dessa forma, é notável que a Sustentabilidade deixa, cada vez mais, de ser um diferencial, para se tornar uma condição competitiva em todos os setores, inclusive no de moda, pois:

  • Obtém maior adesão entre as gerações Y e Z, preocupadas com seu próprio futuro e o de seus descendentes;
  • É mais presente nas classes A e B, ou seja, quanto mais alta a classe, maior o acesso do consumidor a informações sobre a importância da sustentabilidade;
  • Utiliza matérias-primas naturais: as empresas estão concentradas na busca por alternativas que degradem menos o meio ambiente.

Principais Desafios da Estratégia:

  • Deve ser encarada como ação ligada à responsabilidade socioambiental da empresa, e não como ação atrelada somente à moda e a uma tendência de consumo;
  • O marketing deve ser sútil e cuidadoso, pois abordar as “eco-atitudes” da empresa de maneira tão enfática não gera credibilidade e confiança no consumidor;
  • A sustentabilidade não deve ser encarada como um fim, e sim, como um fator intrínseco à todos os processos que envolvem um produto;
  • Atenção redobrada com os aspectos do produto. Devem atender aos atributos estéticos e despertar interesse no consumidor. Além de funcional, devem garantir durabilidade e usabilidade.

Para saber mais, leia a matéria completa e acompanhe outras como essa no Sebrae Mercados.

Aqui você irá encontrar sugestões dos nossos especialistas para inovar e impulsionar seu negócio, além de ficar por dentro das novidades do mercado de moda.