Esse programa foi criado pelo SEBRAE para dinamizar a inserção dos pequenos negócios no universo produtivo das multinacionais brasileiras. É uma estratégia que visa aumentar competitividade, competência tecnológica e gestão das empresas, através de relacionamentos cooperativos, de longo prazo e mutuamente atraentes, que se estabelecem entre grandes companhias e pequenas empresas de sua cadeia de valor.

Desde 2004 o SEBRAE vem atuando para aproximar empresas de uma mesma cadeia produtiva, mas, recentemente, com a criação do programa, contabilizou o atendimento a mais de 17 mil empresas no Brasil, em quase 100 projetos locais e nacionais, que contam com parcerias com empresas como a Petrobrás, a Braskem, a Vale, a Gerdau e a Odebrecht.

O processo de encadeamento produtivo pode gerar uma série de benefícios. Grandes empresas, garantidas pela maior competitividade do fornecedor, se beneficiam de melhores preços, flexibilidade e agilidade. Também Encadeamento_Centrohá redução de transportes e logística, otimização de investimentos para o desenvolvimento da base fornecedora e aumento do potencial de inovação.

Pequenas empresas podem listar benefícios de participação, tais como, aprimorar processos internos, com aumento da produtividade; reduzir ociosidade da capacidade instalada; e aumentar as vendas para a empresa âncora e para o mercado.

Assim aconteceu com o serralheiro Paulo Viana, da cidade gaúcha de Gravataí, proprietário da EsquadriSul, que contabilizou em 2013 um faturamento de R$ 1,2 milhão. Desse total, pelo menos 50% é resultado de negócios com construtoras e grandes empresas da região.

Há apenas três anos, com três funcionários, o negócio faturava R$ 360 mil por ano com a venda de esquadrias, portões, portas e grades para residências e pequenas empresas.

O empresário é um dos nove mil profissionais de 378 pequenas e médias empresas do Brasil, Chile, Peru e Uruguai que fazem parte da cadeia de fornecedores e clientes da Gerdau e passaram nos últimos três anos pelos cursos de capacitação técnica e gerencial promovido pela siderúrgica.

 

Encadeamento Serralheiro no Sul do país

Empresas serralheiras do Rio Grande do Sul foram brindadas com um projeto que une o SEBRAE e a Gerdau para realizar qualificação da gestão de pequenas empresas e dos requisitos técnicos para o manuseio do Aço.

O primeiro projeto a atuar coletivamente junto ao setor na região, subsidiará 80% do investimento necessário para participar de atividades que melhorem aspectos como finanças, vendas, formação de preço, produção, redução de custos, inovação e participação em feiras do setor.

O trabalho em conjunto com a Gerdau, que tem o objetivo de aperfeiçoar as empresas na entrega de requisitos técnicos de manuseio do aço, a exemplo de tipos e qualidade de soldas, cortes e acabamentos em geral, atenderá 40 empresas pelo período de dois anos.

O projeto Serralheiros terá duração de dois anos e, inicialmente, capacitará até 40 empresas. Saiba mais em http://www.sebrae-rs.com.br/

Leia também o artigo “Concessões federais geram oportunidades para pequenos negócios!