O interesse por cosméticos ecológicos tanto pelos brasileiros como pelo público de outros países cresce a olhos vistos. Entendidos como produtos que, além de conterem ingredientes naturais, observam rígidos procedimentos em sua fabricação, os cosméticos ecológicos têm despontado como um desafio positivo e proveitoso para pequenos empreendimentos.

As características, as oportunidades e os desafios para esse setor no que diz respeito à fabricação de cosméticos ecológicos foram abordados com detalhes nos seguintes links:

Um aspecto especialmente interessante para empreendedores do ramo de cosméticos são os altos faturamentos com exportação que se tem observado nos últimos anos – um fenômeno que ilustra a demanda crescente pelos produtos de beleza brasileiros. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal (ABIHPEC), Perfumaria e Cosméticos, o percentual de crescimento das exportações desses produtos nos últimos 10 anos é de 293,5.  Nos últimos 16 anos, o faturamento deste setor passou de R$ 4,9 bilhões para R$ 29,4 bilhões.

O gráfico abaixo, também divulgado pela ABIHPEC, mostra a participação dos diferentes produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) nas exportações:

Exportação Cosméticos_Tab

Em 2012 o Brasil faturou US$ 42 bilhões nesse setor em 2012. A tendência de crescimento é grande e pode elevar a posição do país no ranking dos exportadores de cosméticos, higiene pessoal e fragrâncias – hoje, na 24ª posição. Há diversos investimentos nesse sentido. Um exemplo notável são os esforços da ABIHPEC com a Agência Brasileira de Promoção de Investimentos (Apex-Brasil), que têm como objetivo aumentar as exportações desses produtos. A instituição atua em parceria com outras entidades, com destaque entre elas para o SEBRAE.

Produtos orgânicos, um diferencial 

Um elemento que favorece em grande medida esse potencial de crescimento é o caráter orgânico dos produtos a serem exportados. Com um mercado que cresce cerca de 20% ao ano no Brasil, os orgânicos têm potenciais ainda não explorados e abrem diversas frentes de investimentos.

O cenário atual desse ramo apresenta uma carência que nada mais é do que uma oportunidade. Embora a demanda seja alta e tenda a crescer com a Copa do Mundo de 2014 e com os investimentos em exportação, ainda há falta de fornecedores especializados em produtos orgânicos no Brasil. São pouco mais de 5 mil, entre produtores, as cooperativas e as associações,  ligados a esse ramo que constam, atualmente, no Cadastro Nacional de Produtores de Orgânicos.

Região Norte tem alto potencial 

Os produtores de cosméticos, especialmente aqueles ecológicos ou orgânicos, sediados na região Norte levam vantagens em relação aos concorrentes de outras partes do país, vez que possuem diversidade de matérias primas, relação fisicamente mais próxima com fornecedores de insumos diversos usados nos cosméticos ecológicos. Além disso, podem explorar comercialmente a marca “made in Amazônia” cada vez mais valorizada dentro e fora do território brasileiro.

Mas vale alertar que o mercado externo é altamente criterioso na seleção dos seus fornecedores, sendo assim, empreendedores que se interessarem em fornecer esses produtos especializados devem buscar a Certificação por Auditoria, o Sistema Participativo de Garantia e Controle Social na Venda Direta – todos fornecidos pelo Ministério da Agricultura em sua página na internet.

Além disso, recomenda-se procurar o Sebrae mais próximo para buscar informações sobre projetos que visam fortalecer o mercado de beleza ou que apoiam a exportação das pequenas indústrias.

O Sebrae de Manaus, por exemplo, desde 2011 vem investindo no mercado de beleza com um projeto chamado Salão de Beleza Manaus. O qual proporciona dentre outras benefícios as empresas que participam do projeto a oportunidade de exporem seu produtos e serviços em feiras do setor, ampliando assim a visibilidade dos mesmos e consequentemente a oportunidade de fazer negócios.

Já no Pará, três instituições de peso se uniram para apoiar os empresários a pensarem estratégias de exportação. Juntas, Sebrae, Apex-Brasil e Centro Internacional de Negócios (CIN-Pará) irão munir o mercado paraense de informações sobre o mercado exterior e ainda auxiliar as empresas na preparação para a participação em grandes feiras internacionais, como a BeautyWorld Middle East, maior feira de cosméticos do Oriente Médio.

O Sebrae oferece ao empreendedores que desejam exportar  uma série de produtos e serviços que fortalecem a competitividade da empresa, de modo a prepara-la para os novos desafios que irá enfrentar ao extrapolar as fronteiras do mercado de origem. Entre eles, um curso a distância, que propicia aos empresários em Propiciar conhecimento das técnicas de vendas aplicadas na negociação internacional com base nos termos internacionais de comércio. Saiba mais em Condições de Vendas para o Mercado Externo.