insana_divulgacao_moda_skatista_500x500A moda streetwear começou há pouco mais de 20 anos, lançada por adeptos do skate. Sua característica básica vai na direção contrária do visual arrumadinho, certinho. As roupas são largas, descombinadas e descomplicadas. Por isso, o segmento está, atualmente, associada ao estilo do jovem urbano e é sinônimo de frescor e juventude. Segundo especialistas, o mercado de streetwear no Brasil é um dos maiores do mundo.

O skate tem um entorno cultural que impacta o comportamento das pessoas. O seu universo inclui música, arte, moda, design, entretenimento, conteúdo e arquitetura, contexto que está cheio de signos e significados partilhados pelos adeptos. Assim, em virtude de todo esse universo simbólico cultural, é um dos esportes que mais forma opinião no País e acaba influenciando inúmeras pessoas que nem sequer andam de skate. Reflexo disso, a moda streetwear tem apenas uma pequena parcela de seu público que realmente anda de skate.

Mercado

Segundo o estudo realizado pelo DataFolha, encomendado pela Confederação Brasileira de Skate (CBSk), apesar de não ser o esporte mais praticado no Brasil (o futebol é praticado por 30 milhões de brasileiros), em 2010 existiam 3.860.000 skatistas no País. O levantamento também mostra que o esporte se mostra altamente democrático, uma vez que é praticado por todas as classes sociais. Entre as classes A e B, o total de praticantes era de 42%, sendo 8% referente à primeira e 34%, à segunda. A classe C reunia 33% dos skatistas e as classes D e E somavam 25% do total.

A renda média mensal da família do skatista é 50% maior do que a média brasileira. Esse dado, além de mostrar o potencial desse mercado no Brasil, serve para quebrar inúmeros paradigmas e suposições frente à figura dos skatistas e do esporte. No que tange à idade, trata-se de um público extremamente jovem, em sua maioria, em um período da vida em que os amigos e o meio influenciam diretamente no comportamento e na escolha por consumo, incluindo moda. A grande maioria tem entre 16 e 21 anos.

As meninas já representavam 10% do total de skatistas, o equivalente a aproximadamente 380 mil garotas. E este número é cada vez maior, exemplo disso é o espaço e a atenção que as lojas especializadas têm destinado ao público feminino.

Desafios

O maior desafio deste segmento é a inovação e criatividade em produtos e serviços, uma vez que o público é conectado às tendências de moda e está sempre buscando novidades. Neste sentido, grandes marcas fazem parceria com designers, ilustradores, tatuadores e artistas para cocriar novos modelos com o objetivo de lançar tendências. Também fazem parcerias com bandas, DJ’s e atletas para se lançar no mercado. E estão fazendo muito sucesso. De acordo com o livro “Made For Skate”, de 2010, somente a indústria de tênis para skate movimenta sozinha mais de US$ 800 milhões por ano no mundo.

Confira algumas estratégias para conquistar este mercado:

  • Busque informações e esteja atento às atualizações do segmento e às tendências de moda, bem como tecidos utilizados, estamparia, técnicas de customização, serviços oferecidos e modelos de negócios diferenciados;
  • Crie estratégias de promoção em veículos de comunicação segmentados. Revistas e sites especializados, competições, shows, festas, feiras, entre outros, são algumas possibilidades;
  • Invista em negócios on-line e utilize as redes sociais para promover ações promocionais, uma vez que trata-se de um público jovem que está conectado à internet, sempre em busca de novidades e que valoriza serviços rápidos;
  • Utilize e-mail marketing e links patrocinados no Google, interagindo com a loja virtual;
  • Ofereça produtos criativos e inovadores, pois este nicho é extremamente criativo;
  • Foque em resultados estruturando os processos de gestão, vendas e finanças;
  • Procure aliar o negócio às práticas sustentáveis;
  • Procure trabalhar com fornecedores que adotem boas práticas de sustentabilidade na fabricação do produto e cumpram as leis;
  • Invista em iluminação mais eficiente, economia e reaproveitamento de água, pois acabam simpactando no orçamento. Divulgue estas ações que ajudam a melhorar a imagem da empresa.

Fonte: Nichos de Moda, Sebrae, 2015
Edição: Fernanda Peregrino, da FC Comunicação
Imagem: Divulgação/Insanis Clothing